CHANEL: CONHEÇA A HISTÓRIA DA MARCA QUE É REFERÊNCIA NA MODA DE LUXO

O mundo da moda conta sempre com figuras incríveis que trazem suas invenções e inovações. Desse modo, criadores se transformam em peças fundamentais desse universo, criando tendências que por vezes são atemporais. Uma dessas marcas que nasceu e se tornou referência é a grife Chanel.

As suas coleções são aplaudidas e desejadas por pessoas ao redor de todo o mundo, mas nem sempre foi assim. Como em muitas histórias da moda, a sua criadora, Coco Chanel, teve um longo caminho para que a sua marca se tornasse tão grandiosa quanto é hoje. 

De suas peças icônicas ao seu famoso perfume, conheça a história de uma das grifes mais amadas e respeitadas da moda mundial!

Quem foi Coco Chanel?

Nascida em Saumur, na França, a futura fashionista Gabrielle Bonheur Chanel veio ao mundo no dia 19 de agosto de 1883. Seu pai era um vendedor e sua mãe uma lavadeira. Além de Gabrielle, o casal tinha outros 5 filhos. Após a morte de sua mãe, aos 12 anos de idade, seu pai a colocou em um orfanato com sua irmã. Gabrielle só saiu de lá aos 18 anos.

Morando em uma pensão de garotas, ela começou a se aventurar pela costura com sua tia Adrienne. Dois anos depois, em 1903, as duas entraram para a Maison Grampayre, fazendo enxovais. A partir dali, ela começou a alçar voos mais altos.

Poucos anos depois, Chanel abriu seu primeiro negócio, uma loja de chapéus que acabou fazendo muito sucesso e apareceu em revistas de moda da França. Mas foi somente em 1919 que ela abriu sua primeira casa de costura.

Como surgiu a grife Chanel?

A visão de Coco sempre foi um dos seus pontos fortes. Por exemplo, ela foi a pioneira em utilizar calças femininas, algo impensável até então. Por ser uma pessoa à frente do seu tempo, sua fama só aumentava. Na sua maison, ela vendia roupas desportivas para ir à praia e andar a cavalo. 

Com o sucesso aumentando, ela passou a circular em outros meios após seu casamento. Assim, começou a ter contato com artistas importantes do período e com gênios criativos, como Greta Garbo e Pablo Picasso. Com o seu trabalho alcançando cada vez mais pessoas, suas criações atravessaram o Atlântico e chegaram até Hollywood, onde atrizes famosas já vestiram suas peças. 

Porém, foi em 1921, com a criação de seu perfume icônico, o Chanel N°5, que aconteceu o grande “boom” da sua carreira. Além de ser uma fragrância incrível, o perfume a tornou celebridade no mundo inteiro, principalmente depois de Marilyn Monroe revelar em uma entrevista que dormia usando o produto.

Como ocorreu a ascensão da marca?

Depois do enorme sucesso de sua fragrância, as criações de Coco não pararam por aí. Com certeza você já ouviu falar do “vestidinho preto”, não é? Essa criação com colarinho branco saiu na capa da revista Vogue de 1926 e virou um fenômeno. Já nos anos 1950, foi o tailleur de tweed com saia lápis que fez a grande diferença. Chanel defendia a elegância com conforto, diferentemente de marcas opulentas da época, como a Dior.

Foi com trabalho árduo, persistência e ousadia que seu império começou a crescer cada vez mais. No entanto, durante a ocupação alemã, na Segunda Guerra Mundial, ela teve que fechar sua Maison, assim como outros artistas.

Nesse período, Coco se envolveu com o profissional da inteligência alemã Hans Dincklage, mas o romance foi condenado pelos franceses por se tratar de um inimigo de guerra, o que afetou também seu negócio. Ela chegou até mesmo a ser interrogada por ser suspeita de ter ligação com Hitler e o regime nazista.

Passados alguns anos, a casa foi reaberta somente em 1954. A fim de se reestruturar, Chanel se mudou para a Suíça e começou a vender seus produtos para a América. Por já ser aclamada e reconhecida pelas suas inovações e criações únicas, ela passou a se dedicar ao seu ateliê, fazendo criações pelos próximos anos.

Aos 70 anos e com a sua maison reaberta, Coco apenas fazia o que gostava, sem a preocupação de criar peças que agradassem ao público ou às revistas de moda. Assim, dedicou os próximos anos ao trabalho diário. No dia 10 de janeiro de 1971, a modista morreu em Paris, deixando o seu legado que inspira o mundo da moda até hoje.

Como a grife de luxo está atualmente?

Após a morte de sua fundadora, a marca passou por mudanças e se manteve firme. Mas foi em 1983 que ela deu mais um grande salto. Foi nesse momento que Karl Lagerfeld assumiu o posto de diretor criativo da Chanel, depois de estar desde 1965 à frente da grife italiana Fendi. Sob nova direção, a casa rejuvenesceu e trouxe um novo ar para a moda parisiense. 

Um exemplo disso é o clássico tailleur de tweed, que ganhou novas combinações com peças modernas, como camisetas descoladas e roupas jeans. Lagerfeld foi fundamental para que a fashion brand continuasse em alta, mas sem perder a essência da sua criadora.

O “kaiser”, como era conhecido por causa de sua ascendência alemã, tinha um estilo único e que se destacava. Suas roupas pretas, o rabo de cavalo, suas luvas e seus óculos escuros se tornaram marca registrada. Essa excentricidade marcou também a Chanel, onde ficou até a sua morte, no início de 2019.

Hoje, quem assume a direção da maison é Virginie Viard, que era assistente de Lagerfeld. Com uma longa carreira ao lado de Karl, Virginie começou em 1987 como estagiária, o que a levou ao longo do tempo a ter uma participação intensa nas coleções dos últimos anos. Assim, ela recebeu a responsabilidade de seguir com o legado deixado por Coco Chanel e Karl Lagerfeld, dois grandes nomes do mundo fashion.

Ao comando de Viard, a grife Chanel continua sua produção de bolsas, roupas, sapatos e acessórios que são o sonho de muitas pessoas ao redor do mundo. A moda continua mudando constantemente, mas ela nunca mais foi a mesma depois de Coco Chanel.

Gostou de conhecer a história da marca Chanel e de sua fundadora? Aproveite e confira agora quais são as bolsas de marca mais desejadas!

Mais de Bid4Fashion

ELIE SAAB

ELEGÂNCIA É UMA DECLARAÇÃO, UMA ATITUDE. MULHERES ELEGANTES TEM CARÁTER E CONFIANÇA.
Leia Mais